Porque optei por usar cosméticos e produtos naturais no cabelo

Há cerca de dez anos mantenho meu cabelo natural, livre de químicas que modifiquem a fibra capilar e textura, como alisantes. Nesse processo de transição descobri como ele é e quais melhores formas de deixá-lo bonito e saudável.

Quando iniciei, poucas linhas de produtos da indústria de cosméticos eram direcionados a cabelos crespos/cacheados e a internet foi como um laboratório em que aprendi receitinhas e técnicas (principalmente naturais). Hoje virou um fenômeno e as grandes empresas viram que poderiam ganhar muito dinheiro incluindo a gente como público consumidor. Fico feliz com isso pois passei anos anos invisibilizada e hoje as crespas/cacheadas têm a opção desses produtos específicos que respeitam as particularidades que existem.

Para entender meu cabelo e o que e estava usando nele tive que estudar. Estudar a função do xampu, condicionador, creme de pentear, máscara de hidratação, óleo etc… Entender como cada produto funciona na estrutura capilar. Com isso descobri que a maioria deles contém substâncias químicas que não fazem muito bem a estrutura dos nossos fios.

Como os cosméticos podem fazer mal ao cabelo?

Uma das matérias que me ajudou a entender como essa associação produtos x cabelos funciona foi a da revista de divulgação científica Pesquisa FAPESP (julho/2007), feita pelo jornalista Ricardo Zoretto e intitulada “Fio a Fio: Testes revelam como cosméticos, em muitos casos, danificam o cabelo”. A matéria divulga testes realizados pela cientista Inés Joekes e sua equipe, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que mostram como esses produtos podem ser danosos a estrutura do cabelo.

O uso do xampu, por exemplo, pode destruir pequenas partículas que modificam a estrutura do cabelo. “O simples uso diário de xampu faz mais do que eliminar as partículas de sujeira, de poluição e o sebo do couro cabeludo que se acumula nos fios. Ele é tão eficiente que remove até mesmo pequenas partes do próprio fio, contribuindo para produzir danos microscópicos em sua estrutura, alterar a cor e torná-lo mais quebradiço, em especial nas pontas,” expõe o jornalista em seu texto. Os testes ainda apontam que a fricção que fazemos no uso do xampu no couro cabeludo é responsável por 90% dos danos à cutícula e é visível a olho nu através do que chamamos de “ponta dupla”.

Pensando em como esses produtos podem ser agressivos a estrutura dos cabelos cacheados que a Lorraine Massey, autora do best seller Curly Girls e da linha de produtos para cabelos Deva Curl, criou os conceitos No Poo e Low Poo, que tem como princípio a não utilização de xampus ou que não tenham em sua composição o sulfato de sódio, agente causador da espuma. Atualmente linhas de cosméticos industriais como a Lola ou a Yamá criaram fórmulas que atendem essas demandas que o cabelo crespo/cacheado, já que são mais ressecados devido a estrutura dos fios.

Pensando no que pode ser melhor para mim e meu corpo, decidi usar as duas técnicas na lavagem e diminuir o uso de produtos que tenham parabenos, óleo mineral, silicones industriais e sulfato.

Não preciso ter uma farmácia de produtos para cabelo

Até entender o que meu cabelo precisa para ficar saudável passei por vários processos e entre eles foi entender qual produto se adaptava melhor com meu tipo de cacho, por exemplo. Meu maior conflito foi enfrentar a ditadura dos cachos perfeitos e passar horas cuidando do cabelo para que ele fique super definido, sem frizz e volumoso! Cheguei a comprar muita coisa que no final virou lixo ou tornou-se desnecessária.

Quando engravidei decidi cortar meu cabelo curtinho e a partir daí minha relação com ele mudou por completo. Percebi que não precisava criar nenhum cronograma capilar ou técnica para deixar os cachos perfeitos. Meu cabelo era livre e eu também! Não precisava me tornar escrava de cosméticos e nem ter vários deles para me sentir bem e feliz com meu corpo, afinal cabelo é corpo.

babosa

Babosa é uma planta muito utilizada para fazer hidratações caseiras. (foto da internet)

Nessa transformação decidi tomar uma posição política em relação ao meu cabelo, que é buscar cada vez mais o uso de produtos e cosméticos naturais. Essa decisão veio naturalmente e associada a três princípios: resgate das práticas e tradições dos cuidados ancestrais de respeito com o corpo e a natureza; valorização e fortalecimento do empreendedorismo feminino (principalmente o negro); relação saudável e econômica com meu dinheiro.

Hoje digo que consegui ser fiel aos princípios e quando as pessoas me perguntam e pedem dicas do que usar no cabelo, eu sempre indico o que encontramos na natureza ou – minha relação de amor – os cosméticos da Ewé, feitos por Mona Soares, farmacêutica, fitoaromaterapeuta e artesã de cosméticos naturais.

Perceber as mudanças que o não uso de produtos industriais fizeram no meu cabelo demorou um certo tempo, mas hoje percebo que aquele esforço que eu fazia para mantê-lo hidratado não é mais necessário. Com o uso do xampu sólido, condicionador e um pouquinho de creme de pentear ou óleo de coco ele está lindo e sedoso. E gastando muito pouco (acredite!). Muitas vezes o mito de que produtos naturais ou feitos à mão são caros isentam as pessoas de se permitirem conhecer rotas alternativas, fora a influência que a mídia/publicidade tem sobre a gente. O post “Cosméticos naturais são caros?” do blog Herbalismo e Alquimia, de Mona Soares é maravilhoso e pode te ajudar a desmistificar o consumo de produtos artesanais.

Quais cosméticos para o cabelo eu uso?

Segue uma listinha do que uso e minha relação com cada produto:

  • Creme de cabelo mel e dendê da Ewé: deixa meu cabelo super hidratado e cheiroso e só uso ele apenas uma vez, após a lavagem. No dayafter sinto que ele tem brilho e maciez suficiente para não precisar de mais nada! Compro na loja virtual da Ewé
  • Óleo de coco natural: compro na feira livre de minha cidade do interior e uso tanto no cabelo após a lavagem (junto com o creme ou sem) e também no corpo substituindo o hidratante;
  • Babosa: uso a baba para hidratar o cabelo junto com a hidratação, acho sempre na feirinha;
  • Condicionador de Andiroba e Copaíba da Ewé: a melhor invenção de todos os tempos, porque muitas vezes uso somente ele pra lavar, pois serve como xampu e condicionador (2em1) e deixa meu cabelo super lindo e hidratado;
  • Creme de pentear Yamasterol (do amarelo): uso após lavagem ou as vezes quando o cabelo ta meio se graça, misturo com água e aplico nele seco;
  • Xampu sólido Ewé (castanha): É um sabonete, no início você pode achar estranho. Sinto meu couro cabeludo bem limpo e não espumam tanto. Na verdade já usei vários, esse é o mais atual. Meu cabelo só não se adaptou o xampu de coco, mas os outros me dei super bem. No blog da Ewé (clique aqui) tem dica de como lavar o cabelo com esse tipo de xampu;
  • Xampu, condicionador e máscara hidratante da Bio Extratus linha Pós-Progressiva: amo muito essa linha e meu cabelo se dá super bem. Não contém muitos produtos que são agressivos ao cabelo como parabenos e o sulfato.

Digo sempre que toda escolha – seja ela qual for – é política. Eu optei por começar por essa e tem feito muito bem, principalmente porque já foi replicada no meu filho que não usa nenhum sabonete industrial. Não quero que ninguém se sinta obrigado a seguir meu ritmo e nem condeno quem usa produtos industriais, mas acredito que é preciso mostrar que existem alternativas para tudo que se faz e consome.

Salvador recebe em novembro a Marcha do Empoderamento Crespo

A cidade de Salvador recebe pela primeira vez a Marcha do Empoderamento Crespo no dia 07 de novembro, sábado, a partir das 14h, no bairro do Campo Grande. Mais que um movimento estético, um ato político de autoafirmação negra, a marcha vai tomar as principais ruas do centro da capital baiana e finaliza na Praça Castro Alves.

Marcha_do_Empoderamento_Crespo_de_Salvador

A ideia surgiu a partir da Marcha do Orgulho Crespo, realizada no mês de julho na cidade de São Paulo. “Salientamos a importância da marcha em São Paulo e das demais que acontecerão em algumas cidades do Brasil, mas Salvador tem particularidades que exigem a contextualização da luta e da resistência cotidiana do povo negro”, pontuaram as jovens Lorena Lacerda e Naiara Gouveia, que através de um grupo de transição capilar na rede social resolveram se unir para criar também uma marcha na cidade Salvador.

Centralizada nas redes sociais, a comissão de organização do evento reúne estudantes, militantes, acadêmicas/os e pessoas interessadas na temática, formando um grupo misto composto majoritariamente por mulheres negras.

O evento, que tem por objetivo a construção de um referencial de valorização do corpo negro através da afirmação estética, cresceu e hoje conta com mais de 10.000 pessoas no grupo oficial da Marcha.

Pré-marcha

Para divulgar e fortalecer o movimento, estão acontecendo ações pré-marcha em diversos bairros e escolas da cidade. “Propomos as ações para o desenvolvimento de discussões dos aspectos estéticos, simbólicos e políticos relacionados ao cabelo, configurando uma rede de conhecimento, suporte e de pertencimento”, enfatiza as integrantes da comissão.

A agenda da programação está disponível na página oficial do movimento www.facebook.com/empoderamentocrespooficial ou através do e-mail marchadoempoderamentocrespo@gmail.com

A Marcha do Empoderamento Crespo de Salvador tem o apoio da Universidade Estadual da Bahia (UNEB), NIZINGA Empreendedoras/es de Salvador, Movimento Negro Unificado (MNU), União dos Negros pela Igualdade (UNEGRO), Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres (SPM), Secretaria Municipal da Reparação (SEMUR), Superintendência de Políticas para Mulheres (SPM), vice-prefeitura de Salvador, vereadores Silvio Humberto, Luiz Carlos Santos Lima (Suica) e Moisés Rocha, e deputados Bira Corôa (estadual) e Valmir Assunção (federal).

“Nenhum homem vai lhe querer com este cabelo”

Ouvi esta frase há cerca de oito anos, quando decidi passar por uma transição capilar e permiti o crescimento natural e livre do meu cabelo, sem qualquer tipo de alisamento. Para mim ouvir isso foi um choque. Choque porque me senti incapaz. Não podia fazer nada. Falar nada. Apenas calar. Não estava em minha casa. Os olhos encheram de lágrimas. Me senti frágil e feia.

Até hoje esta frase dói bem aqui dentro. Dói como uma faca cravada no peito. Talvez essa pessoa nem lembre o que me disse. Nem ligou se me ofendeu ou não. Nem se importou com minha escolha. Em todas as minhas oficinas Encrespando eu conto essa história. Eu falo essa frase. Falo porque sei que existem milhares de mulheres (e homens) que passaram pelo mesmo processo que eu. Que ouviram frases terríveis de negação de seu próprio cabelo. De negação do cabelo da negra, do negro, do pixaim, do crespo, do enroladinho, do carapina.

Lorena Morais Encrespando

Foto e make: Ni Mariah

 

Não sou feia com meu cabelo. Você não é feia com seu cabelo crespo. Você não é feio com seu black. Assumir seu cabelo natural é mais que moda. É assumir uma postura política e afirmar: “eu sou negra/negro, meu cabelo é crespo e eu amo ele assim”. É exigir respeito. É ter direito a escolha.
Com o tempo eu percebi que sou linda com meu cabelo. E aquela frase era tudo mentira. Na verdade aprendi que para um homem ou mulher me querer eu preciso antes de tudo ME QUERER. Então me quero TODOS OS DIAS. Quando acordo, me olho no espelho e digo: eu sou linda.

Após oito anos tenho a certeza que a melhor escolha que fiz foi deixar meu cabelo natural nascer. Enquanto aos homens… Queridinha/o, você que falou besteira, porque sou amada e amo por demais!
Você é linda. Você é lindo. Seu crespo é lindo. Ame e valorize.

Lorena Morais
Jornalista e Arte-educadora
Dezembro/2014

Resenha: Creme de Pentear Mel e Dendê Ewé

Olá crespas e crespos,

Nunca mais postei uma resenha sobre os produtos que uso e gosto. Na verdade tenho uma relação de amor com os produtos da Ewé, que são cosméticos naturais produzidos artesanalmente. Já testei várias coisinhas e tenho na minha bagagem sabonetes corporais, xampus em barra, condicionador, perfume… Mas hoje a resenha será com o Creme de Pentear Mel e Dendê da Ewé.

mel.e.dende
DESCRIÇÃO DO PRODUTO PELO FABRICANTE

Um creme ultra hidratante para cabelos crespos, ressecados, danificados ou tingidos. O Dendê é rico em vitaminas, e protegem o cabelo do sol. O mel hidrata sem pesar. Um produto que ajuda a desembaraçar os fios, dando brilho e muita maciez.

Peso: 90g | Ingredientes: água, metossulfato de behentrimônio, manteiga de cupuaçu*, óleo de dendê, álcool cetílico, sorbitol, glicerina vegetal, extratos de cavalinha, mutamba, calêndula, camomila, umburana, calamo, mil folhas, linhaça, urtiga e aloe vera; mel quaternizado, pantenol, etilexilglicerina, caprylyl glycol, sorbato de potássio, ácido cítrico, oleoresina de alecrim, resina de benjoim, benzoato de sódio, óleos essenciais de laranja, patchouly, litsea cubeba e gerânio. (*ingrediente orgânico)

MINHA OPINIÃO

O Creme de Pentear Mel e Dendê Ewé é ideal para todos os tipos de cabelo, principalmente os crespos, que são naturalmente mais secos. Utilizei o creme após a lavagem, com o cabelo úmido. Dividi em mechas e apliquei o creme na palma da mão, fazendo a fitagem.

O creme tem uma consistência grossa e a aplicação depende muito do resultado que espera. Como gosto dos meus cachos mais leves, apliquei no cabelo bem úmido e deixei secar. O resultado foi um cabelo super hidratado e cachos super definidos. No #dayafter nem precisei reaplicar o creme, somente no terceiro dia. Como é ele é um pouco grosso, fiz uma misturinha com água filtrada, soro fisiológico, bepantol, Creme Mel e Dendê e apliquei com um borrifador. Ps.: Não gosto de aplicar creme de pentear todos os dias, afinal, não vejo necessidade.

DSC_0321

Textura do Creme de Pentear Mel e Dendê Ewé

Aaah, e o cheiro?! Aroma encantador! Quando aplico, a casa fica perfumada e na verdade, nem preciso de nenhum perfume corporal, porque o creme exala em seu corpo por si só.

É um produto que pode ser utilizado por todas as cacheados e cacheados e a turma do No Poo/Lo Pow, pasmem, ELE É LIBERADO! Não tem óleo mineral, silicone ou derivados de petróleo. Na verdade, a Ewé não utiliza esses componentes que geralmente encontramos nos cosméticos industriais. Foi através da Ewé que apostei no No Poo e hoje estou livre desses componentes!

Selecao

O Creme de Pentear Mel e Dendê Ewé não sai do meu necessaire e tem um preço super em conta. Apenas R$12. Pode ser utilizado até três meses após aberto. Você pode comprá-lo na loja virtual através do endereço eletrônico: <http://ewe.tanlup.com/>

Acompanhe também as novidades do facebook <https://www.facebook.com/pages/Ewé/296433477153657?fref=ts> e blog <http://herbalismoealquimia.blogspot.com.br/> da Ewé.

Receita: Hidratação capilar com amido de milho (maizena)

É sempre bom fazer novos experimentos para dar brilho e maciez ao seu crespo e cacheado. Esta receitinha é utilizada com o amido de milho, conhecido popularmente como “maizena”, e serve para todos os tipos de cabelo, mas principalmente os crespos/cacheados, que são naturalmente ressecados.

O amido de milho é o nome dado à farinha feita do milho. Utilizado na culinária como substituto da farinha de trigo ou para o preparo de cremes, o amido atua como espessante. Além de ser usado na gastronomia, o amido pode substituir cosméticos e ser utilizado em atividades domésticas (remover gorduras de roupas, mofo de livros, limpar janelas, etc). No tratamento capilar ele pode ser misturado à hidratação e também servir como xampu para os cabelos oleosos, pois diminui a oleosidade natural dos fios.

Testei no meu cabelo e amei o resultado! Segue abaixo minha receita e produtos que utilizei:

Ingredientes e produtos:

Hidratação de Maizena Xampu de Abacate Ewé
– 30 ml de Vinagre de Maçã
– 1 colher (sopa) de Amido de Milho (maizena)
– ½ colher (sopa) de Óleo de Abacate Ewé
– ½ colher (sopa) de Azeite Extra-Virgem
– 2 colheres (sopa) de Máscara Hidratante Pós Progressiva (Argan/Óleo de Cártamo/Queratina Vegetal) da Bioextratus
– Água
– Leave-in Água e Óleo de Coco da Salon Brazil

Modo de fazer: Para fazer a mistura na hidratação, iniciei colocando em uma panelinha meio copo de água com uma colher (de sopa) de amido de milho, em fogo baixo. É necessário mexer o tempo todo, para que a mistura não grude no fundo da panela ou crie bolinhas. Após criar uma consistência cremosa, desliguei o fogo e deixe esfriar. Logo em seguida peguei duas colheres (de sopa) do creme de hidratação, meia colher (sopa) do óleo de abacate e meia colher (sopa) de azeite extra-virgem. Misturei todos os ingredientes junto com a maizena já fria, até criar uma consistência homogênea.

Lavagem: Como uso xampus sem sulfato de sódio (não espumam) e produtos sem derivados do petróleo, inicio equilibrando o pH do meu cabelo. Molho ele todo com água corrente, em seguida pego 30ml de vinagre de maçã em 90ml de água natural e aplico em todo o cabelo, massageando a raiz. Aplico o xampu, massageio o couro cabeludo e retiro com água.

Concistência do amido de milho após ir ao fogo. O amido é misturado à hidratação.

Consistência do amido de milho após ir ao fogo. O amido é misturado à hidratação.

Aplicação da Hidratação: Divido o cabelo em mexas e inicio a aplicação começando de baixo. Aplico em cada mexa do cabelo, enluvando, desembaraçando e fazendo fitagem (técnica para cachear os cabelos). Em seguida espalho o restante da hidratação e massageio bem o couro cabeludo. Ponho a touca de alumínio e deixo a hidratação agir por 30 minutos. Obs.: A mistura pode ser feita com qualquer creme de hidratação de seu costume. A indicação de mistura de óleos capilares (coco, rícino) é para ajudar na hidratação e brilho. Algumas pessoas indicam na mistura o uso do “Bepantol líquido”, que ajuda a dar mais brilho e maciez às madeixas.

Finalização: Retirei a hidratação com água corrente e apliquei o condicionador apenas nas pontas do cabelo. Tirei o excesso de água com uma toalha, apenas apertando o cabelo de baixo para cima, dividi em mexas e iniciei a aplicação do leave-in através da técnica de fitagem. Deixei o cabelo secar naturalmente.

Resultado: O resultado da aplicação deixou meus cabelos super macios, com muito brilho, diminuiu o frizz e ativou os cachos. Indico para todas as crespas e crespos como uma rotina semanal ou mensal de hidratação capilar. Faz em casa e conte sua experiência. Meninas em transição, encrespe com o amido de milho!

Encrespando-Lorena-Morais

Fontes: Sites MulherxCabelos e Mulheres Bonitas

Beijos encrespados,

Lorena Morais

logo-encrespando

Também estamos no instagram: @souencrespando
Facebook: www.facebook.com/encrespandoseuafro
Conheça no loja virtual de turbantes!

Resenha: Óleo de Abacate Ewé

Olá minhas crespinhas e crespinhos!

As pessoas sempre me perguntam o que uso no cabelo… Que xampu, creme, óleo etc. Então inicio aqui minha primeira resenha de um produto que venho usando e indico.

Como meu cabelo é crespo e cacheado, gosto de abusar bastante nos óleos, fazendo umectações e misturando na hidratação – falei sobre isto aqui. Dos que experimentei, gostei muito do Óleo de Abacate Ewé. A Ewé é uma linha de cosméticos criada por minha amiga farmacêutica Monaliza Soares. Ela preza pelo trabalho artesanal e a utilização de matéria-prima natural e orgânica. Uso muitos os produtos dela para cabelo, adoro e indico! Mas vamos lá:

oleo de abacate ewe

O quê: Óleo de Abacate Ewé

Para que serve: Um óleo orgânico e prensado a frio da polpa do fruto de abacate. Este óleo é a primeira escolha para fios que estão muito secos e ásperos, pois recupera a maciez. Este óleo de cor verde musgo possui muitas vitaminas e hormônios naturais auxiliando no crescimento saudável dos fios.

Quantidade no recepiente: 50ml

Como usar: O óleo pode ser usado na umectação ou misturado à hidratação.

Resultados: Usei das duas formas, mas a que eu mais gostei foi a mistura que fiz na hidratação (1 colher de sopa do óleo para cada duas colheres de hidratação). O resultado foi incrível porque deixou meu cabelo suuuuper macio, brilhoso e o melhor: definiu os cachos. Achei impressionante a definição dos cachos que o óleo proporcionou. Usei o produto em minha mãe e ela amou o resultado. Como o cabelo dela está em transição, seus cachos não ficam bem definidos, mas no dia que ela usou o óleo o resultado foi surpreendente. Este óleo traz resultados rápidos na primeira utilização e o day after é maravilhoso!

Resultado do cabelo após uso do Óleo de Abacate Ewé.

Indico ele principalmente para aqueles momentos em que seu cabelo está beeem ressecado e você já não sabe mais o que fazer.

Onde encontrar: Através do site (aqui) ou página no facebook (aqui), com envio via Correios para todo o Brasil e exterior.

Preço sugerido: R$20,20

*Este post não foi patrocinado.

Beijos encrespados ;*

lorena_morais_encrespando

Seu crespo está ressecado? Umectação é a solução!

Seu crespo anda ressecado, sem brilho e maciez? Os cabelos crespos e cacheados são naturalmente mais secos do que os lisos, porque a oleosidade produzida no couro cabeludo não consegue chegar até as pontas com facilidade, afinal, o caminho é longo (risos). Daí a importância da aplicação de óleos naturais e manteigas vegetais, em um processo que é chamado de umectação (humectação em outros países de língua portuguesa), mas também é conhecido como banho de óleo.

Os cabelos crespos são naturalmente mais secos e precisam de um cuidado especial. Imagem da internet.

Os cabelos crespos são naturalmente mais secos e precisam de um cuidado especial. Imagem da internet.

A palavra umectar tem origem latina e significa “umedecer, molhar, diluir”. O processo consiste em enluvar os fios capilares com óleo em todo o comprimento do cabelo, com massagens do couro cabeludo até as pontas. Essa é uma prática milenar entre as indianas e é conhecida como “método champi”, que é passada da mãe para filhas. Elas aplicam óleos e fazem massagens no couro cabeludo, que além de manter a oleosidade natural dos fios, ajuda também no crescimento dos cabelos.

“O óleo quando aplicado na cabeça é absorvido pelas raízes do cabelo, as quais por sua estão conectadas às fibras nervosas levando diretamente ao cérebro. O óleo fortalece o cabelo e reduz o ressecamento – que é responsável pelos cabelos quebradiços e problemas no couro cabeludo”, explica Om Shanti em seu livro “Massagem Ayurvédica (2011)”.

É preciso ter um cuidado especial na escolha do óleo para a umectação. A indicação são óleos de origem vegetal e natural, sem silicones e óleos minerais. Cuidados com aqueles óleos coloridos (e cheirosos) que são vendidos em farmácias, não são indicados! Compre somente em um lugar confiável,em casas de produtos naturais ou em estabelecimentos indicados por alguém que já testou ou então, faça você mesma (receita de óleo de coco virgem). Você pode escolher óleo de côco, abacate, cenoura, argan ou até mesmo o azeite de oliva extra virgem, utilizado na culinária.

Função dos óleos capilares

Os óleos aplicados na umectação devem ser vegetais e 100% naturais. Imagem da internet

Os óleos aplicados na umectação devem ser vegetais e 100% naturais. Imagem da internet

Existe ainda uma função para cada óleo nos cabelos e uma diferença entre óleos penetrantes e não penetrantes. De acordo com o Journal of Cosmetic Science, os óleos penetrantes são capazes penetrar no interior da haste do cabelo, por ter “uma elevada afinidade para proteínas do cabelo e por causa do seu baixo peso molecular”. A citar o óleo de coco, “mais eficaz para a umectação, por suas características de penetração e adesão às fibras capilares”, assim como o óleo de abacate e o azeite de oliva.

Óleos não penetrantes “não são capazes de penetrar os fios, mas ajudam a evitar o atrito em excesso de um fio com o outro, para que eles assim não se quebrem” e alem disso podem ter outras funções benéficas ao cabelo. Apresento abaixo a função de cada óleo nos cabelos.

Como fazer a umectação (ou banho de óleo)

A aplicação do óleo pode ser feita no cabelo sujo, antes do uso do xampu, desta forma o fio é protegido. Você aplica um pouco na mão e diretamente no couro cabeludo, fazendo massagens circulares com a ponta dos dedos (nunca com as unhas) em posições iguais por cerca de 10 minutos. A massagem deve ser feita em todo o couro cabeludo, depois deve ser estendida no resto do cabelo enluvando os fios, com o tempo e quantidade de óleo de julgar necessário.

Para que o óleo possa penetrar e realmente fazer efeito, é preciso que ele fique por um bom tempo nos cabelos. Você pode fazer a aplicação e dormir com o óleo no cabelo (com uma touca) ou então deixá-lo durante o dia, por no mínimo duas horas. Logo em seguida pode lavá-lo com o xampu e condicionador – como de costume.

A umectação também pode ser feita junto com a hidratação. Em uma vasilha separada, para cada colher de sopa (rasa) da máscara hidratante que você usar, aplique uma colher de sopa rasa de óleo. Misture e aplique nos cabelos (não esqueça de massagear) e enluvar – após lavá-lo com xampu – e deixe agir de 20 a 40 minutos. As dicas citadas acima têm como base a minha experiência com umectação.

Existem pessoas que fazem a umectação também com o cabelo úmido. O ideal é que você teste e encontre sua melhor experiência. Para um melhor resultado, o indicado é que você aqueça um pouco o óleo em banho maria, assim ajuda a abrir as cutículas e os nutrientes penetram mais facilmente.

Não esqueça que o princípio básico da umectação é a massagem capilar, que pode ser feita por outra pessoa (que deve ser maravilhoso) ou você mesma (se não tiver jeito! Risos). Veja abaixo um vídeo indiano que ensina como fazer a massagem ayurvédica no couro cabeludo:

A umectação pode ser aplicada em todos os tipos de cabelo, até os oleosos, porém com intensidade maior nas pontas. Como as meninas sempre perguntam o que eu uso, vou trazer em breve uma resenha de um óleo que uso para umectação que meu crespo adorou!

Veja abaixo a lista de óleos e como ele age em cada cabelo:

Óleo de abacate: Tem vitaminas que seu cabelo precisa, A,E,D e potássio e um alto teor de proteína. Leve e nutritivo para os cabelos, pode ser usado se você quiser um tratamento condicionador super profundo.

Òleo de Amêndoas: Serve para nutrição do cabelo, é facilmente absorvido pelo couro cabeludo.

Óleo de Andiroba: Cicatrizante e repelente. Deixa o cabelo sedoso e brilhoso.

Óleo de Argan: Hidrata, nutre, fortalece o cabelo, repara danificações e restaura o brilho.

Óleo de Babaçu: Penetra com rapidez pelos poros da pele, facilitanto a entrada de óleos essenciais e outros bioativos.

Óleo de Buriti: O Buriti contém a maior quantidade de Vitamina A natural dentre todos os frutos e vegetais já descobertos. Também é rico em vitamina E, C e antioxidantes. Hidrata, dá brilho, fortifica, amacia e alisa os cabelos.

Óleo de Cártamo: Ajuda a hidratar, nutrir e reestruturar o cabelo.

Óleo de cenoura: É rico em beta-caroteno, vitaminas A e E e provitamina A, equilibra a umidade da pele e hidrata os cabelos.

Óleo de côco: Excelente condicionador e também forcene as proteínas essenciais necessárias para o cabelo danificado, nutrindo e amaciando, além de melhorar as condições do couro cabeludo. Altamente recomendável para cabelos afro.

Óleo de Copaíba: Sua resina possui atividade emoliente anti-bacteriana e anti-inflamatória. Protege a cor dos cabelos tingidos, é emoliente e condicionador.

Óleo de Girassol: Evita o ressecamento do cabelo e as pontas duplas, hidrata, amacia e dá brilho.

Óleo de Jojoba: Grande aliado para o crescimento capilar, é ótimo para todos os tipos de cabelo e tem a capacidade de inibir a atividade em excesso de glândulas sebáceas, tornando a escolha perfeita para pessoas com couro cabeludo oleoso que ainda precisam de condicionamento.

Óleo de Linhaça: Hidratante, fortificante, dá brilho e diminui o frizz.

Óleo de Maracujá: É importante para manter o teor hídrico-lipídio da pele.

Óleo de Macadâmia: Age como anti-inflamatório natural, é viscoso e um ótimo hidratante capilar.

Óleo de Oliva Extra Virgem: Ótimo condicionador e controlador de caspa. O azeite contém antioxidantes, que mantém o couro cabeludo saudável. Fortalece e suaviza as cutículas do cabelo.

Óleo de Pracaxi: Controla a caspa e queda do cabelo. Promove ação condicionante ao cabelo úmido e seco, melhora a penteabilidade do cabelo e aumenta o brilho do cabelo seco.

Óleo de Palma ou Dendê: Rico em vitaminas A e E, seu teor de umidade proporciona hidratação profunda ao cabelo. Contém lipídios e gorduras saturadas que alimentam o eixo do cabelo, eliminando a secura. Não é recomendável para cabelos claro.

Óleo de Pequi: Rico em vitaminas A, C e E, em sais minerais, possui ação regeneradora da pele e dos cabelos danificados, nutrindo e hidratando.

Óleo de Rícino/Mamona: Óleo vegetal obtido a partir da mamona. Age como umectante, atraindo e retendo umidade para os cabelos.

Óleo de Semente de Uva: Óleo leve, com alto teor de vitaminas e minerais, contém vitamina E e esteroides e é um ótimo hidratante.

Fonte: Clube do Cabelo e Cia

Beijos encrespados,

lorena_morais_encrespando