Salvador recebe em novembro a Marcha do Empoderamento Crespo

A cidade de Salvador recebe pela primeira vez a Marcha do Empoderamento Crespo no dia 07 de novembro, sábado, a partir das 14h, no bairro do Campo Grande. Mais que um movimento estético, um ato político de autoafirmação negra, a marcha vai tomar as principais ruas do centro da capital baiana e finaliza na Praça Castro Alves.

Marcha_do_Empoderamento_Crespo_de_Salvador

A ideia surgiu a partir da Marcha do Orgulho Crespo, realizada no mês de julho na cidade de São Paulo. “Salientamos a importância da marcha em São Paulo e das demais que acontecerão em algumas cidades do Brasil, mas Salvador tem particularidades que exigem a contextualização da luta e da resistência cotidiana do povo negro”, pontuaram as jovens Lorena Lacerda e Naiara Gouveia, que através de um grupo de transição capilar na rede social resolveram se unir para criar também uma marcha na cidade Salvador.

Centralizada nas redes sociais, a comissão de organização do evento reúne estudantes, militantes, acadêmicas/os e pessoas interessadas na temática, formando um grupo misto composto majoritariamente por mulheres negras.

O evento, que tem por objetivo a construção de um referencial de valorização do corpo negro através da afirmação estética, cresceu e hoje conta com mais de 10.000 pessoas no grupo oficial da Marcha.

Pré-marcha

Para divulgar e fortalecer o movimento, estão acontecendo ações pré-marcha em diversos bairros e escolas da cidade. “Propomos as ações para o desenvolvimento de discussões dos aspectos estéticos, simbólicos e políticos relacionados ao cabelo, configurando uma rede de conhecimento, suporte e de pertencimento”, enfatiza as integrantes da comissão.

A agenda da programação está disponível na página oficial do movimento www.facebook.com/empoderamentocrespooficial ou através do e-mail marchadoempoderamentocrespo@gmail.com

A Marcha do Empoderamento Crespo de Salvador tem o apoio da Universidade Estadual da Bahia (UNEB), NIZINGA Empreendedoras/es de Salvador, Movimento Negro Unificado (MNU), União dos Negros pela Igualdade (UNEGRO), Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres (SPM), Secretaria Municipal da Reparação (SEMUR), Superintendência de Políticas para Mulheres (SPM), vice-prefeitura de Salvador, vereadores Silvio Humberto, Luiz Carlos Santos Lima (Suica) e Moisés Rocha, e deputados Bira Corôa (estadual) e Valmir Assunção (federal).

A mulher negra e o acesso à saúde

Por Lorena Morais, jornalista baiana e proprietária da marca Encrespando

Aguardei ansiosa pelo Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha para escrever sobre nós mulheres negras, principalmente as gestantes. Meu desejo é que esta reflexão valha não somente para hoje, mas para todos os dias.

A minha luta enquanto mulher negra começou quando consegui me observar e me entender enquanto tal. Hoje a responsabilidade é muito maior devido à criança que carrego no ventre e todas as escolhas que fiz e faço para minha gestação e parto.

Lorena-Morais-Mulher-Gestante-Negra

Tudo começou com o seguinte questionamento: como se dá o acesso e tratamento da saúde à mulher negra gestante no Brasil? A partir daí fiz uma reflexão sobre o acesso à saúde de qualidade e os desafios que nós, mulheres negras, enfrentamos diariamente.

Pesquisei artigos científicos e busquei dados que justificassem minha dúvida e concluí que nos sistemas de saúde brasileiros – seja público ou particular – existe o racismo institucionalizado, que “sempre coloca pessoas de grupos raciais ou étnicos discriminados em situação de desvantagem no acesso a benefícios gerados pelo Estado e por demais instituições e organizações” (CRI apud Goes e Nascimento, p. 572, 2013).

SUS sem Racismo

Em novembro de 2014 o Ministério da Saúde lançou uma campanha contra o racismo no Sistema Único de Saúde – SUS, “SUS sem Racismo”, com o objetivo de conscientizar a população e os profissionais de saúde a respeito do racismo presente no atendimento médico. Os dados mostraram que existe uma diferença no atendimento entre mulheres negras e brancas com as seguintes estatísticas: mulheres negras recebem menos tempo de atendimento médico que mulheres brancas e compõem 60% das vítimas da mortalidade materna no Brasil. Em relação ao parto, somente 27% das negras tiveram acompanhamento, ao contrário das brancas que somam 46,2%, além de outras diferenças quando se trata anestesias, tempo de espera e informações pós-parto, como aleitamento materno.

Atendimento pré-natal da mulher negra

Durante a minha gestação vivi e ouvi relatos que constatam esta realidade. No meu primeiro atendimento médico pré-natal – particular – fui obrigada junto com meu companheiro a esperar a hora que o profissional quisesse chegar com a seguinte afirmação: “começa a marcar a partir de x horas, mas ele não tem hora pra chegar”. No atendimento me senti um lixo, pois ele mal me olhou e no momento que fiz alguns questionamentos me indicou remédios e não explicou quais mudanças que aconteciam no meu corpo que geravam as alterações. Ao sair chorei muito e disse que não era obrigada a me submeter a este tipo de atendimento.

sus-sem-racismo

Busquei outro profissional pelo SUS, muito frio no atendimento, receitou uma série de remédios e não respondeu as minhas dúvidas. Novamente procurei outro obstetra, neste caso particular, porém seu comportamento machista me inquietou muito no consultório. Ao mesmo tempo ouvi relatos de pacientes (negras) que confirmaram sua atitude e diziam que ele ainda as chamava de “gorda” e “feia”. Decidi que este profissional não merece meu dinheiro e nem meu bebê esta energia!

Por fim, o melhor atendimento que encontrei foi em uma Unidade Básica de Saúde, pelo SUS, com uma enfermeira, mãe, humanista, que respondeu e explicou as minhas dúvidas, ficou o tempo necessário comigo no consultório, entendeu e orientou humanamente minhas decisões para o parto.

Ao mesmo tempo em que passei por tudo isso, encontrei gestantes e parturientes negras que relataram momentos de sofrimento em hospitais, negligência, destrato, abandono, falta de orientações e um série de violências obstétricas das quais algumas estavam cientes, porém nada podiam fazer e outras desconheciam seus direitos e consideravam as atitudes médicas louváveis, como a episiotomia sem consentimento (corte na região do períneo) e manobra de Kristeller (expulsão do bebê subindo na barriga).

Desafios

“As desigualdades raciais determinam o acesso aos serviços de saúde e limitam o cuidado. Por intermédio do racismo, as desigualdades são causadoras de doenças e agravos que resultam nas iniquidades raciais em saúde. E, para as mulheres negras, outros fatores agregados, como o sexismo, expõem a uma situação de vulnerabilidade e violam o direito à saúde e ao acesso qualificado” (Goes e Nascimento, p. 578).

Penso que nosso desafio por uma saúde de qualidade e sem racismo/sexismo é grande. Estamos submetidas a esse tipo de atendimento principalmente devido a falta de informação e direitos. O que podemos fazer é divulgar a existência do racismo institucional e denunciar para que campanhas e ações estratégicas atinjam os profissionais e a população para que este fato não se torne invisível.

Minha contribuição enquanto mulher negra e atualmente gestante é mostrar que nós somos fortes o suficiente não para aguentar uma violência obstétrica, mas para sermos as protagonistas do nosso parto.

Fontes

GOES, Emanuelle; NASCIMENTO, Enilda. Mulheres negras e brancas e os níveis de acesso aos serviços preventivos de saúde: uma análise sobre as desigualdades. Saúde em Debate, vo.l 37, n. 99, Rio de Janeiro, 2013.

SUS sem Racismo, página no facebook. Disponível em: http://facebook.com/SUSnasRedes

ARRAES, Jarid. Mulher negra e saúde: “a invisibilidade adoece e mata!”. Revista Fórum Semanal, dezembro 2014. Disponível em: http://revistaforum.com.br/digital/176/mulher-negra-e-saude-invisibilidade-adoece-e-mata/

O São João da Renner e o lugar da mulher negra

Por Lorena Morais, jornalista baiana

Nós, mulheres negras, lutamos todos os dias contra o fantasma da solidão e a forma como a mídia reproduz estereótipos racistas e sexistas. Aí vem a loja de departamentos Renner e faz um comercial de São João 2015 que derruba toda a nossa luta diária (link do vídeo).

sao-joao-renner-2015

Trecho do vídeo da propaganda São João Renner em que a personagem principal é uma mulher negra que procura um par.

Uma mulher negra (a única da cena) reza para Santo Antônio ou qualquer outro santo, pedindo um par, que não seja nem pra casar, mas apenas pra beijar e é rejeitada por todos os homens brancos da cena, que ficam com as mulheres brancas. Ao final ela encontra um negro, que manda uma cartinha e aceita ficar com ela.

Este final poderia ser lindo se não estivesse explícito o discurso que a propaganda traz. “Mas vocês vêm racismo/sexismo em tudo?”. Com certeza alguns/mas de vocês devem estar me perguntando isso! Mas não sou eu que vejo, é o que está nítido na mensagem subliminar que a propaganda traz.

Porque a única mulher negra da cena está sozinha? Porque nenhum homem branco quer ficar com ela? Porque com tanta gente na propaganda só existem três pessoas negras: Um homem que está com duas mulheres, a personagem principal da cena e o rapaz que no final fica com ela? Porque todas as mulheres brancas da cena tem um par?

Ao entrar na fanpage da Renner constatei que não estava enganada sobre o papel e lugar do negro/negra na publicidade da empresa. Estarei mentindo se disser que não encontrei modelos negros/as, mas posso contá-los/las a dedo. Na sua maioria são brancos/as, magros/as e capas de revistas. Qual o lugar que ocupamos então? Se a empresa quis ser democrática, cometeu uma gafe.

Ao ver a propaganda, que apareceu em minha linha do tempo porque a página da empresa é patrocinada, senti a dor e revivi anos atrás de toda reflexão que fiz enquanto mulher negra. Da rejeição nas festas e nos grupos entre as amigas, por não me encaixar no padrão das “meninas para serem beijadas”.

A Renner quis nos dizer qual é nosso lugar. Não somos pra casar, por isso temos que nos conformar. E vamos continuar pedindo um homem “pra casar” no pé do altar de Santo Antônio e como demora a aparecer ou nunca aparece, vamos nos conformar com qualquer um que apenas nos queira, nem que seja por uma noite, nem que seja às escondidas.